Harmonia

“Sou acusado de criar conflitos, mas não os crio: revelo-os!”, disse Martin Luther King, que cito de memória.

No final, é tudo uma questão de perspetiva.

Trata-se de criar desordem ou de questionar a ordem estabelecida?

Ordem para alguns, garantindo estabilidade, progresso, tranquilidade.

Ordem asfixiante para outros, uma garantia de opressão, que esteriliza toda a esperança de mudança.

Para alguns, é um apelo à tranquilidade, harmonia e paz.

Para outros, é um apelo à vida, à mudança, à dignidade

Podemos compreender ambos os lados.

Mas é preciso notar que este apelo à calma, à tranquilidade e à harmonia vem, frequentemente, daqueles que são favorecidos, que têm algo a perder…

No entanto, a harmonia não é uma situação estável, mas sim um momento calmo e feliz entre dois turbilhões.

Desfrutei da experiência musical de me concentrar nos compassos finais, harmoniosos e maravilhosos. E depois expandi o alcance da minha audição. Antes disso, houve tensões, dissonâncias. 

E tive de reparar que a tonalidade era ainda mais bonita depois das dissonâncias.

Olhemos de mais perto a harmonia, o equilíbrio. O andar não é uma série de desequilíbrios? E, no entanto, pode-se dizer que alguém que anda ou corre de forma harmoniosa. Mas não deixa de ser uma série de desequilíbrios!

E se a harmonia fosse simplesmente um momento de tranquilidade, de serenidade?  Mas apenas por um momento, pois, quando dura, acaba por se tornar opressivo. E a tranquilidade não significa que haja serenidade para todos!

E se substituíssemos a serenidade pela noção de necessidades essenciais cobertas. Como a segurança, por exemplo?

E se depois nos perguntássemos se era possível que isto fosse válido para todos. Segurança, um tecto por cima da cabeça, comida, água potável.

Os que já têm tudo isto pensarão que se trata de um estado de harmonia. Mas não aqueles que dela são privados. E quem está privado disso, por que é que é privado e por quem?

Questionar este equilíbrio é quebrar a harmonia daqueles que dela beneficiam. Mas não deixa de ser uma esperança obter, finalmente, harmonia, paz, tranquilidade para aqueles que delas se encontram privados.

É uma questão de ponto de vista!

Portanto, tenhamos cuidado com os apelos à harmonia enquanto não houver justiça e um mínimo de equidade.

Alain Schwaar

Deixe uma resposta